Miriam Leitão

TEMAS


Miriam Leitão



Referência em diversas mídias do Grupo Globo, é especializada em assuntos Econômicos e de Negócios. Uma das mais premiadas jornalistas brasileiras de sempre, é também uma das mais admiradas por seus pares e pelo público em geral.

Aos 18 anos, mudou-se para Vitória (ES), onde iniciou no Jornalismo como estagiária em A Tribuna (ES). No início dos anos 1970, durante a ditadura militar, participou do movimento estudantil capixaba e chegou a ser presa e torturada, aos 19 anos, quando estava grávida do seu primeiro filho.

Em 1977, foi para Brasília (DF), onde trabalhou durante cinco anos como repórter de Assuntos Diplomáticos para a sucursal da Gazeta Mercantil (SP). Formou-se em Jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB). Em São Paulo (SP), onde morou na primeira metade dos anos 1980, trabalhou na editoria de Brasil da revista Veja (SP) e foi repórter e entrevistadora da Abril Vídeo (SP).

Convidada por Marcos Sá Correa para cobrir as férias do colunista Zózimo Barroso do Amaral, no Jornal do Brasil (RJ), ficou pela capital fluminense a partir de 1985, passando a trabalhar como repórter de Economia. Em 1986, assumiu a editoria de Economia do JB.

Ingressou no Grupo Globo em 1991, onde escreve uma coluna diária com seu nome no jornal O Globo - republicada em diversos jornais do País -, faz comentários diários na rádio CBN, tem um programa de entrevistas na GloboNews e ainda participa do telejornal Bom Dia Brasil da TV Globo e das páginas virtuais do portal G1.

Em 20 de outubro de 2005, tornou-se a primeira jornalista brasileira a receber o Prêmio Maria Moors Cabot, oferecido pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia (EUA). Outros prêmios conquistados no período foram: o de Jornalismo para Tolerância 2003, organizado pela Federação Internacional de Jornalistas; o Orilaxé 2003, do Grupo AfroReggae; o Grande Prêmio Ayrton Senna de Jornalismo Econômico 2004; o Camélia da Liberdade 2005, do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas, e o Jornalismo Econômico 2007, concedido pela Ordem dos Economistas do Brasil.

Começou, no final de 2011, a investigar, com Cláudio Renato, Cristina Aragão e equipe da GloboNews, o caso do deputado federal Rubens Paiva, desaparecido em 1971 entre os mais de 150 ativistas, políticos e jornalistas que, no período, sumiram misteriosamente, que resultou em matéria exibida na emissora e também publicada em O Globo em março de 2012. A reportagem especial Uma história inacabada: O caso Rubens Paiva foi um dos principais cases apresentados no 7° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, evento promovido pela Abraji em julho daquele ano, em São Paulo.

Na década de 10, viu aumentarem o reconhecimento e as premiações ao seu trabalho. Conquistou o Prêmio de Jornalismo Econômico Ibero-Americano 2012 e os Comunique-se 2012/2013/2014, na categoria Jornalista de Economia/Mídia Impressa, e mais dois em 2016, nas categorias Colunista/Opinião e Economia/Mídia Falada - com isso, entrou para a Galeria dos Mestres do Jornalismo. Em 2013, levou seu oitavo Troféu Mulher Imprensa - sexto na categoria Comentarista/Colunista de TV - e tornou-se a jornalista mais premiada da história do concurso. Também em 2013 conquistou, com o renomado fotógrafo Sebastião Salgado, o Prêmio Esso de Informação Científica, Tecnológica ou Ambiental, pela reportagem Paraíso sitiado, publicado em O Globo. Recebeu o Prêmio Personalidade da Comunicação 2014, entregue durante o Congresso Brasileiro de Comunicação Corporativa, organizado pela Mega Brasil Comunicação.

Ocupa lugar de destaque em vários dos rankings criados e apurados pelo J&Cia em parceria com a Maxpress: chegou em 2016 ao topo entre os +Premiados Jornalistas Brasileiros da História; já havia terminado 2012 no topo dos +Premiados Jornalistas Brasileiros, ocupando ainda posição de destaque nos anos posteriores; está no Top 10 dos +Admirados Jornalistas Brasileiros de 2014 e 2015, e é Top 1 e +Admirada Colunista/Comentarista entre os +Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças do Brasil 2016.

Paralelamente à carreira jornalística, construiu sólida carreira na Literatura. Com vários autores, participou da edição de Ciro Gomes no país dos conflitos (Revan, 1994), e do estudo Produtividade no Brasil: A chave do desenvolvimento acelerado (Campus, 1999), organizado e produzido pela empresa de consultoria McKinsey & Company. É autora do livro Convém Sonhar (Record, 2010). Em 2012 recebeu o Prêmio Jabuti, na categoria Livro Reportagem, com a obra A Saga Brasileira: A longa luta de um povo por sua moeda (Record, 2011). Nele, aborda a história econômica recente do País, da hiperinflação ao Plano Real, passando pelos congelamentos e pelo confisco do governo Collor, até a estabilização da moeda. O livro também conquistou na mesma premiação o Jabuti do Livro do Ano/Não Ficção - o Jabuti Dourado.

Iniciou-se na literatura infantil com a publicação de A Perigosa Vida dos Passarinhos Pequenos (Rocco, 2013), com ilustrações de Rubens Matuck, e já conquistou o Prêmio FNLIJ 2014, promovido pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, na categoria Escritor Revelação. Seguiu-se A Menina de Nome Enfeitado (Rocco, 2014), ilustrado por Alexandre Rampazo. Depois foi a vez de sua estreia na ficção adulta, com Tempos Extremos (Intrinseca, 2014). Voltou a escrever para crianças com Flávia e o Bolo de Chocolate (Rocco, 2015), ilustrado por Bruna Assis Brasil, e com O Estranho Caso do Sono Perdido (Rocco, 2016), com ilustrações de Fran Junqueira.

Depois de três anos de pesquisas, lançou História do Futuro: O horizonte do Brasil no século XXI (Intrínseca, 2015), no qual mapeia o futuro com base em entrevistas, viagens, análises de dados e depoimentos de especialistas, apontando tendências que não podem ser ignoradas em áreas como Meio Ambiente e Clima, Demografia, Educação, Economia, Política, Saúde, Energia, Agricultura, Tecnologia, Cidades e Mundo. E adianta que o futuro será implacável para os países que não se prepararem para ele.

Participou do documentário Economia Brasileira: A história contada por quem a fez (Cultura Maior, 2016), dirigido por Louise Sottomaior.

Temas das Palestras:


- Economia Cenário Nacional e Internacional
- Conjecturas Econômicas e Perspectivas

Tipos de trabalhos:

- Moderador de Debates
- Apresemtadores