Guga Kuerten

TEMAS


Guga Kuerten



Conhecido como Guga, apelido afetivo comum em seu país para o prenome Gustavo, é um ex-tenista profissional brasileiro, considerado o maior tenista masculino da história do país.

Maior tenista masculino brasileiro de todos os tempos - o que é comprovado pelos números (títulos, rankings e premiações) de sua carreira - Gustavo Kuerten teve a vida marcada por duas tragédias familiares.

A primeira foi a morte de seu pai, Aldo Kuerten, jogador amador de tênis e incentivador da educação pelo esporte, que colaborava nos campeonatos como juiz de cadeira.

Quando Guga contava apenas 8 anos de idade, em 1985, teve que enfrentar a morte do pai devido a um ataque cardíaco, enquanto arbitrava uma partida entre juniores em Curitiba.

A segunda envolve o irmão caçula, Guilherme Kuerten, que durante o nascimento sofreu de privação prolongada de oxigênio, causadora de dano cerebral irreversível e conseqüentes deficiências física e mental severas.

Guilherme faleceu no dia 7 de Novembro de 2007, vítima de parada cardiorrespiratória.

Desde cedo Guga foi estreitamente ligado à luta diária do irmão, algo que incorporou em sua carreira de tenista: em cada jogo disputado, a partir de 1998, Kuerten doava duzentos dólares a instituições de caridade; além disso, todos os troféus conquistados eram dados para o irmão caçula (incluindo as três réplicas em miniatura do troféu de Roland Garros).

Gustavo Kuerten começou a jogar tênis aos 6 anos, por incentivo paterno. Quando tinha 14, conheceu Larri Passos, seu técnico pelos 15 anos seguintes.

Foi ele quem convenceu o jogador e sua família de que o jovem tenista tinha talento suficiente para se profissionalizar. Ambos - Kuerten e Larri - começaram a participar de torneios juniores no Brasil e no exterior. Em 1995 Kuerten tornou-se profissional.

Além do tênis, Guga costuma praticar outro esporte que é o surfe. As belas praias de Florianópolis sempre lhe proporcionaram tal pratica.

Guga também sempre atacou de torcedor de futebol, declarando desde cedo, sua grande paixão pelo Avaí Futebol Clube de sua cidade natal. Também é conhecido por ser extremamente humilde e respeitar seu público, quando fora das quadras.

Carreira profissional

Seu primeiro grande feito foi ajudar o time brasileiro da Copa Davis a derrotar a equipe da Áustria em 1996 e alcançar a primeira divisão da competição, o Grupo Mundial.

Depois de dois anos como profissional, em 1997 Kuerten elevou-se à posição de jogador número 2 do Brasil, ficando classificado abaixo somente de Fernando Meligeni.

No mesmo ano, tornou-se o primeiro tenista masculino brasileiro a vencer um torneio em simples do Grand Slam, a série das quatro mais importantes competições de tênis do circuito profissional mundial.

Antes dele, somente Maria Esther Bueno tinha vencido campeonatos nas simples (mas também nas duplas femininas e duplas mistas), enquanto Thomaz Koch lograra êxito nas duplas mistas. Gustavo Kuerten, no entanto, trouxe o inédito título de simples do Roland-Garros.

Como conseqüência de sua inesperada vitória em 1997, uma vez que ao vencer o torneio o jogador não estava sequer entre os 50 melhores do mundo, Guga Kuerten teve dificuldades no subseqüente ano e meio, ajustando-se à sua súbita fama e à pressão por vitórias.

Certamente 1998 foi o ano pior de sua carreira sem estar diretamente relacionado a contusões. Na mídia, na crítica e no crescente número de torcedores (além dos antigos, também novos, agora absorvidos pela chamada "gugamania"), havia clara pressão para que o jogador assumisse o posto de "embaixador" do tênis brasileiro.

Isso ficou evidente depois de sua derrota nas rodadas preliminares para o então desconhecido Marat Safin na edição de 1998 de Roland-Garros, quando equipes inteiras de jornalistas brasileiros enviadas a Paris para cobrir o evento retornaram imediatamente para casa, deixando o restante do evento sem qualquer cobertura no Brasil.

Os anos de 2000, quando terminou como número um, e de 2001, quando terminou como número dois, representaram o auge da carreira do tenista catarinense.

Em ambos, Guga sagrou-se campeão de seu torneio predileto, Roland-Garros, assim como venceu todos os grandes tenistas da época e alguns mitos, como Pete Sampras e Andre Agassi.

No final do ano de 2001, problemas físicos levaram-no a realizar, no ano seguinte, a primeira de duas cirurgias no quadril direito e obrigaram-no a se afastar do circuito por períodos longos.

No final daquele ano, bastavam três vitórias para que ele se sagrasse novamente como jogador número um, que não foram obtidas. Desde então, como fruto das sucessivas contusões, teve poucos resultados expressivos, optando em 2008 por dar o seu adeus definitivo à carreira de tenista.

Os pontos característicos de seu jogo são os fortes golpes de fundo de quadra, em especial os de backhand paralelos e que passam rasantes junto à rede por terem pouco efeito top spin, bem como um serviço eficiente e potente, que lhe permite melhor controle do ponto. O grunhido emitido pelo tenista quando golpeia a bola é reconhecido por milhares de fãs mundo afora.

Mesmo jogando com muita seriedade, por vezes solicitou ajuda da torcida, especialmente em jogos da Copa Davis, assim como surpreendeu torcedores mundo afora, como por exemplo, quando atravessou a quadra durante o jogo do Aberto dos EUA de 1999, e foi cumprimentar o jogador adversário (Cédric Pioline), que suportou o jogo extremamente agressivo de Guga e ainda conseguiu ganhar o ponto, e depois o jogo.

Devido às constantes contusões, Gustavo Kuerten iniciou no começo de 2007 um tratamento no Santos Futebol Clube, com acompanhamento do fisioterapeuta Filé, hoje contratado pela equipe paulista de futebol para recuperar seus próprios jogadores, mas também acompanhando alguns casos, como o do tenista brasileiro.

Guga, como é chamado carinhosamente pelos fãs, não obstante seus problemas físicos, ainda representa seu país na Copa Davis.

No ano de 2008, ele anunciou ser aquele seu último ano como atleta profissional, e para isto, selecionou alguns torneios dos quais guarda boas recordações para uma série de despedidas.

Alguns dos torneios são Aberto do Brasil, os Masters Series de Miami, Monte Carlo, finalizando com seu torneio favorito, Roland-Garros. Nos bastidores, luta tentar ir também aos Jogos Olímpicos em Pequim, pois como não tem pontuação suficiente no ranking, ele depende de convite para participar do evento.

Em 25 de maio de 2008 jogou no torneio de Roland-Garros em Paris, o que poderia ser seu último jogo na carreira. Ao entrar, todos se depararam com aquele mesmo uniforme de 1997, azul e amarelo, relembrando o feito que o lançou no tênis internacional, a conquista de Roland-Garros do mesmo ano.

Antes mesmo da partida começar, estava muito emocionado. Salvou ainda no último set um match point a favor de Paul-Henri Mathieu, levantando a torcida que ocupava praticamente todos os 15 166 lugares da quadra Philippe Chatrier, a quadra central. Mas no fim acabou perdendo por 3 sets a 0 (6/3, 6/4 e 6/2). Mesmo assim foi homenageado com um troféu com as camadas de uma quadra de saibro. Saiu de cabeça erguida, aplaudido.

Temas dos Trabalhos

- Ténis
- Esporte
- O brasileiro que desafiou os melhores
- Próposito e Performance
- Liderança
- Superação de Desafios
- Trabalho em Equipe

Tipos de Trabalho:

- Mestre de Cerimônias
- Presença Vip