Luciano Pires

TEMAS


Luciano Pires



Luciano, embora tivesse como objetivo ser um cartunista, foi por 26 anos executivo de marketing de uma grande multinacional de autopeças, com experiência de trabalho no Brasil, América do Sul e Estados Unidos.

Estudou na Universidade Mackenzie e fez cursos de especialização em Marketing na FGV e Universidade de Michigan.

Mergulhou fundo no universo corporativo, obtendo uma visão privilegiada da dinâmica do mundo dos negócios e do comportamento das pessoas que desempenham papéis de liderança.

Escreveu e publicou oito livros, entre eles O Meu Everest, Brasileiros Pocotó, Nóis…qui invertemo as coisa, o Diário de Um Líder,  Me Engana Que Eu Gosto e Café Brasil 10 anos.

Cartunista premiado, é colunista de vários sites, revistas e jornais, além de estar à frente do programa Café Brasil, um dos mais importantes podcasts produzidos no país.

A partir do conteúdo de seus textos, Luciano transformou-se num dos grandes palestrantes brasileiros, que marca suas apresentações pelo bom humor, ideias provocativas e irreverentes.

Palestras

- A Fórmula da Inovação

No mercado competitivo que hoje enfrentamos, jogar pelas regras é ser invisível.

É necessário inovar, mas poucas pessoas sabem o real significado dessa palavra. Esta palestra discute as dimensões da inovação e traz uma fórmula simples e objetiva que serve como um roteiro para quem decidir fazer da inovação uma atitude consciente e sistemática.

Envolvendo conceitos de marketing, branding e comportamento, esta palestra tem foco nas atividades intangíveis que hoje representam a única possibilidade de se obter um diferencial estratégico.

Muito bem humorada, repleta de conceitos e com boa dose de provocação, A FÓRMULA DA INOVAÇÃO traz uma abordagem objetiva e criativa sobre a inovação na vida e nos negócios

Como entender e implementar uma Cultura da Inovação

- Entendendo inovação
- Uma fórmula matemática que ajuda na organização dos processos inovadores
- Percebendo a inconveniência atual
- Entendo o valor da mudança
- Vencendo a percepção de risco
- Celebrando o sucesso

- Brasileiros Pocotó

Nunca fomos tão influenciados pela mídia, cuja força molda o comportamento dos brasileiros. Passamos por um momento de nivelamento por baixo da cultura, com músicas, programas de tv e de rádio que apelam para baixarias na tentativa de ganhar audiência. Quais as implicações disso? Que reflexos essa pobreza cultural traz a nosso dia a dia? Que conseqüências as empresas estão sofrendo? Como devemos agir para escapar desse nivelamento e adotar uma postura inovadora?

Comunicação em tempos de Cólera

Num mundo que a cada dia fica mais complexo, como deve ser encarada a função “comunicação”? Cada vez mais conectados, estamos nos distanciando um do outro, perdendo a oportunidade de ver expressões, linguagem corporal e outras coisas impossíveis de serem escritas ou descritas.

Você diz suas palavras, mas os outros ouvem conforme as experiências passadas deles, com significados próprios que podem ser muito diferentes dos que você tentou expressar.

Para piorar, somos a sociedade das mídias, e a comunicação através da mídia exige uma série de cuidados. Especialmente quando, protegidas pela sensação de anonimato, as pessoas deixam de lado seus filtros morais, a educação e a polidez, para criticar, atacar, ofender e, se possível eliminar seus “inimigos”. 

Se você participa de alguma mídia social sabe do que estou falando.

Esse novo mundo exige cuidados redobrados não só dos indivíduos, mas das empresas, para proteger seu ativo mais importante: a reputação.

Esta palestra discute algumas das armadilhas com as quais nos deparamos no dia a dia. Trata dos filtros que devemos criar para nos proteger do bombardeio de informações manipuladas, além de discutir a importância da contextualização. E no final dá dicas que podemos seguir para garantir um mínimo de proteção contra informações falsas, manipuladas e especialmente distribuídas para fazer com ajamos de acordo com o que alguém quer. Mesmo contra nossos princípios e desejos.

- Empresas Nutritivas

Por que algumas empresas são especiais? Atraem as pessoas talentosas e conseguem segurá-las? O que essas empresas têm em comum? A palestra EMPRESAS NUTRITIVAS passa ao largo das receitas milagrosas para propor uma reflexão sobre a natureza dos negócios, a importância do lucro, o valor dos intangíveis, o controle como inimigo da imaginação a importância de valorizar os processos de julgamento e tomada de decisão e a letalidade da burro…ops! burocracia.

Irreverente, bem humorada e profundamente reflexiva a palestra EMPRESAS NUTRITIVAS trata das relações entre os negócios e os seres humanos. Empresas não são prédios, máquinas, móveis ou terrenos. Nada disso tem vida. Quem tem vida e dá personalidade às empresas são as pessoas, logo, empresas nutritivas precisam de gente nutritiva.

O que faz com que algumas empresas consigam atrair e reter talentos?

- Definição de empresa nutritiva
- O primeiro mandamento: dar lucro
- A precisão dos processos e a imprecisão dos desejos
- Os pilares do bom gerenciamento
- A proposta de valor
- Empresas são tribos
- A importância das conexões e dos relacionamentos
- Liderança

- Gente Nutritiva / Vendedor Nutritivo

Criada para PROVOCAR, esta palestra combina irreverência com filosofia ao discutir o que faz uma pessoa ser agradável, útil e atraente enquanto outras são inúteis, desagradáveis e repulsivas.

Partindo da premissa de que as pessoas aglutinam-se em torno de gente divertida, informativa, confiável e articulada, a palestra discorre sobre nossa capacidade de escolha entre ser alguém “normal” e previsível ou um daqueles “loucos” que provocam mudanças e fazem acontecer.

Repleta de referências aos filósofos que trataram desse tema, a palestra mergulha em nosso dia a dia, evidenciando que está na nossa capacidade de autopercepção; de analisar os contextos, de manter uma atitude adequada e de exercer um julgamento consciente a diferença entre ser alguém que agrega valor ou apenas mais um componente de um rebanho que se limita a imitar o que os outros fazem.

Como se destacar de seus competidores no momento mais importante, a venda?

- Definindo que é uma pessoa nutritiva
- As pessoas se aglutinam em torno de que tipo de gente?
- Sobre sedução e personalidade
- Sua proposta de valor
- Dicas para quem quer ser nutritivo

- Geração T

A palestra “Geração T” trata de gente que sabe tudo que acontece, mas é incapaz de compreender por que as coisas acontecem.

Num mundo onde o acesso à informação está cada dia mais facilitado, a pergunta fundamental é: de que adianta ter acesso à informação se não temos repertório para dar um sentido à realidade? Como ser criativo e inovador numa sociedade onde as pessoas se acomodam, não tem opinião própria e se conformam com a mediocridade?

Sempre bem humorada, repleta de conceitos e com boa dose de provocação, A GERAÇÃO T traz uma abordagem objetiva e criativa sobre a necessidade de refinar nossa capacidade de julgamento e tomada de decisão para ampliar o repertório e realizar as escolhas.

Trata da capacidade de desenvolvimento do discernimento, a capacidade lógica de separar e identificar os elementos que compõe determinada questão, como esses elementos se relacionam entre si e como se afetam uns aos outros e como cada um deles impacta no conjunto.

Como melhorar seu processo de julgamento e tomada de decisão

- O conflito entre as gerações
- O homem vivendo em tribos
- A importância das conexões e relacionamentos
- Os bovinos resignados
- A espiral do pensamento
- Dicas para sair do óbvio

- Liderança e Transformação no Serviço Público

A palestra Liderança e Transformação no Serviço Público foi montada seguindo dois eixos. O primeiro é uma reflexão sobre Liderança, o que é que tipo de líder nos interessa, tendo como base o projeto LIDERANÇA NUTRITIVA de Luciano Pires, que foca nos atributos de liderança que não se aprendem na escola.

O Líder Nutritivo é aquele que tem a habilidade de inspirar e provocar as pessoas a fazer acontecer, a elas transmitindo, informal e eticamente, conhecimento e apoio moral, psicológico e social, que são percebidos pelo receptor como relevantes para sua vida pessoal e profissional.

Todo servidor público precisa ter consciência de seu papel de liderança no momento de fazer seus julgamentos e tomar as decisões.

O segundo eixo é o da MORAL E ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO, uma reflexão sobre a aplicação prática dos conceitos de moral e ética que têm ficado restritos à filosofia e precisam ser trabalhados no dia a dia.

Liderança em tempos velozes e furiosos

O mundo passa por um período de mudanças aceleradas, que a tecnologia torna cada dia mais dramáticas. Temas como a globalização, conectividade e redes de relacionamento estão mudando dramaticamente a forma como fazemos negócios, e pouca gente percebeu a necessidade de mudar o jeito de ver os negócios.

Continuamos focados na administração como se estivéssemos à frente de velhas fábricas que produzem um produto ou serviço; tem controle e medições; foco na redução de custos e alguém para nos dizer o que fazer. O novo mercado exige muito mais que controles, ameaças e burocracia.

É hora de compreender um negócio como uma comunidade de indivíduos independentes que se agregam e integram ao decorrer dos projetos. Discutir a responsabilidade e a capacidade de cada um de agregar valor é onde residem as oportunidades.

O sociólogo polonês Zygmunt Bauman tentou explicar os tempos caóticos que vivemos, criando o que chamou de “modernidade líquida”.

Para ele, o fim das utopias levou à inibição das reflexões sobre a sociedade, tendo como consequência a perda da noção de progresso como um bem a ser partilhado.

Na sociedade líquida, tudo que importa é o prazer individual, imediato, efêmero, superficial e que leva rapidamente ao fastio e à busca por novos prazeres imediatos. Tudo aqui e agora.

Num cenário como esse, somos assombrados pela incerteza e insegurança dos que não têm mais referenciais para construir suas vidas, a não ser eles próprios.

Que nó, não?

Envolvendo conceitos de filosofia, marketing e comportamento, esta palestra reúne uma série de reflexões que questionam essa realidade vigente, esclarecendo conceitos como meritocracia e tocando fundo em temas importantes que são deixados de lado por exigirem mudanças de comportamento e atitudes.

Muito bem humorada, repleta de conceitos e com boa dose de provocação, PESSOAS CRIATIVAS, EMPRESAS LUCRATIVAS traz uma abordagem objetiva e criativa sobre a necessidade de repensar a forma como abordamos nossos negócios.

Como desenvolver uma nova visão sobre negócios num mundo em transformação

- Uma introdução à globalização
- As mudanças que o mundo sofreu nos últimos 20 anos
- A “modernidade líquida”
- A velha definição de “fábrica”
- O perigo do foco na estabilidade
- Os pilares do bom gerenciamento
- As várias dimensões do lucro

- Liderança Nutritiva

Ao longo de sua carreira você deve ter tido vários líderes, não é? Quantos você considera que foram especiais, aqueles que marcarão você por toda a vida? E o que os fez especiais, provocando em você a vontade de tê-los sempre por perto, enquanto outros líderes você queria ver bem longe?

Aqueles líderes tão especiais eram… nutritivos.

Esta palestra define “Liderança nutritiva” como a capacidade de inspirar e provocar as pessoas a fazer acontecer, transmitindo informalmente conhecimento e apoio psicológico e social, que são percebidos pelo receptor como relevantes para sua vida pessoal e profissional.

O líder nutritivo é mais que um chefe, mais que um comandante, mais que alguém capaz de coordenar pessoas. Ele ou ela é uma daquelas pessoas muito especiais que causaram profundo impacto positivo na vida de outras pessoas.

Navegar é preciso, viver não é preciso

Durante séculos os homens tentaram chegar ao extremo norte do planeta, o Polo Norte, em busca de riquezas, conhecimento, fama e fortuna. Muitas tentativas fracassaram de forma trágica, outras quase deram certo, mas todas constituem valiosas lições de planejamento e liderança, que permitem paralelos com o mundo profissional em que atuamos.

NAVEGAR É PRECISO, VIVER NÃO É PRECISO é uma palestra que apresenta de forma original e inovadora os fundamentos do Planejamento Estratégico.

O pano de fundo são histórias que relatam algumas expedições que tentaram chegar ao Polo Norte ao longo do século 19 .

Há anos estudando a história dos grandes aventureiros, em 2008 Luciano Pires tornou-se num dos poucos brasileiros que chegaram até o Polo Norte, no topo do mundo, a bordo de um navio quebra gelos nuclear russo.

Luciano usa sua experiência profissional de mais de 30 anos como executivo de multinacional e depois empresário, para propor reflexões sobre o uso do planejamento como forma de atingimento de objetivos com redução de riscos. E o faz de forma irresistível ao incorporar elementos de aventuras reais à realidade de nosso dia a dia. Bom humor, muita informação e provocações fazem da palestra um momento inesquecível.

Utilizando imagens de alto impacto, Luciano Pires recria algumas das missões mais ambiciosas que envolveram cuidadoso planejamento e tiveram resultados diferentes em razão de pequenos detalhes. Cada história contada de forma dramática traz diversos paralelos com nossos desafios no dia a dia profissional.

Uma visão instigante sobre planejamento estratégico

- Planejamento sistemático e pensamento criativo
- As armadilhas das atividades operacionais
- Trabalho improdutivo: o mais importante problema comportamental
- Ação com propósito
- Os sete perigos da liderança
- Sobre sorte e oportunidade

O Buraco da Fechadura

Nós brasileiros parecemos analisar o Brasil através de um buraco de fechadura. Vemos uma parte pequena da realidade e saímos tomando as decisões que vão direcionar nossas vidas. Poucos se dão ao trabalho de abrir a porta para ter uma visão completa dos problemas e oportunidades.

A mídia cumpre um papel preponderante na criação de um quadro de calamidade iminente. Esta palestra discute a postura que devemos ter diante do volume cada vez maior de informações que recebemos, discutindo questões como credibilidade, visão crítica, relevância, responsabilidade, e ressonância das informações.

Crítica, repleta de exemplos familiares a nosso dia a dia e muito bem humorada, esta palestra dá pistas para o desenvolvimento de uma atitude positiva, realista e ampla da nossa realidade, ajudando a criar uma armadura emocional que nos proteja da onda de pessimismo que nos quer fazer piores e menores do que na realidade somos.

Como proteger-se da visão catastrofista que influencia nossa tomada de decisão.

- Nossa visão do Brasil: trinta anos de decepções
- A mídia e a informação: superficialismo e manipulação
- A teoria dos quatro Rês: como lidar com a informação
- Que país é este? Qual minha responsabilidade?

O Complexo de Vira-Latas

Partindo da imortal criação de Nelson Rodrigues nos anos 60, quando afirmou que o brasileiro tem “complexo de vira-latas”, esta palestra faz uma análise das razões políticas e econômicas que tivemos nestes últimos 30 anos para acreditar que este país não pode dar certo.

Aborda a questão das referências políticas e culturais de hoje em contraponto àquelas dos anos 60 e traz a história da primeira e única equipe brasileira de Fórmula 1 que correu entre 1975 e 1982 e entrou para a história como um exemplo de fracasso.

Tendo sido o coordenador do processo de recuperação do FD 01, o primeiro carro original da equipe que, em 2004, como comemoração dos 30 anos da Equipe Fittipaldi, voltou às pistas de Interlagos, Luciano Pires traz informações e imagens inéditas que apenas comprovam nossa tendência a não acreditar em nossa capacidade.

Após esta palestra, sua equipe terá outra percepção da história e passará a respeitar heróis que foram transformados, pela ignorância, em fracassados. Esta palestra é um excelente exercício de reflexão sobre a forma como realizamos nossos julgamentos e tomamos nossas decisões.

Como evitar que nos julguemos piores do que somos.

- Um país que é menos que os outros
- Histórias de decepções
- A história da equipe Copersucar-Fittipaldi: heróis transformados em fracasso
- O brasileiro pode ser mais do que pensa que é?

O Meu Everest

Baseada na experiência da viagem que Luciano Pires realizou ao Campo Base da maior montanha do mundo, o Everest, em 2001, esta palestra mescla a emoção da busca por um sonho impossível com técnicas de gerenciamento que utilizamos diariamente em nossas vidas e empresas.

Diferente dos aventureiros profissionais, que levam as questões do mundo da aventura para o mundo dos negócios, Luciano propõe o inverso: sendo um executivo comum, sem qualquer experiência com esportes de aventura e montanhismo, em poucos minutos promove a identificação da plateia com seus sonhos, desafios e momentos de sofrimento e deslumbre.

Hilariante, emocionante, reflexiva e, acima de tudo, real, esta história está repleta de fotos, gráficos, músicas e vídeos que ajudam a criar um clima lúdico onde as mensagens ganham impacto inesquecível.

Luciano leva consigo a plateia numa viagem de autoconhecimento e transformação.

Como sair do sonho para o planejamento e para a execução. Fazendo acontecer.

- Fixando objetivos desafiadores
- Planejamento, transformando sonhos em metas
- Fazendo acontecer: conhecimento, criatividade, coragem e consequência
- O trabalho em equipe em ambientes de crise profunda
- As teorias administrativas observadas na prática
- Os desafios como ferramentas para transformação

O Olhar Produtivo

Inspirada na frase “É a economia, estúpido”, que o estrategista político James Carville usou para focar nos reais problemas dos Estados Unidos e que tornou vitoriosa a campanha presidencial de Bill Clinton em 1992, Luciano Pires desenvolve a palestra O OLHAR PRODUTIVO.

O Brasil está conectado com o mundo, disputando com os melhores dos mercados em todos os cantos do planeta, mas continuamos com um problema: PRODUTIVIDADE. Não conseguimos produzir com a qualidade e a quantidade de outros países.

Sofremos com a burocracia, com a falta de planejamento e com a falta de engajamento. Aprendemos a conviver com os produtos de qualidade que “dá pro gasto”. Nos contentamos com pouco.

Nesta palestra Luciano Pires trata de produtividade sob o ponto de vista do “olhar produtivo”, ou seja, a consciência dos compromissos assumidos, a capacidade de aprender com os erros, a obsessão pela qualidade, o inconformismo com a repetição das velhas fórmulas do “sempre foi assim”. É o olhar produtivo que levará o Brasil para o futuro.

Transformando os problemas de produtividade em “doenças do olhar”, Luciano propõe uma profunda reflexão sobre como cada um de nós percebe a si mesmo dentro do ambiente profissional, quais são nossas responsabilidades e as promessas que fazemos quando assinamos nosso contrato de trabalho.

Bem humorada e surpreendente, esta palestra é um chacoalhão nas pessoas para que estejam conectadas ao ambiente que as rodeia e percebam sua importância dentro dos processos produtivos.

Como contornar os obstáculos que impedem a alta produtividade e performance superior

- O desafio da produtividade no Brasil
- Nossa dificuldade de fixar e priorizar objetivos
- As “doenças” da produtividade
- Focando no resultado desejado e não nas horas trabalhadas
- A capacidade de fazer acontecer

- SustentHABILIDADE

“Sustentabilidade é o desenvolvimento que atende as necessidades do presente sem comprometer a habilidade das futuras gerações de atender a suas próprias necessidades.”

A onda agora é “sustentabilidade”, depois de “qualidade total”, “foco no cliente”, “parceria”, “inovação”, “responsabilidade social” e etc.

Fazemos discursos maravilhosos, especialmente quando envolvem valores morais, mas apenas somos capazes de adotar pequenas ações táticas focadas na eficiência e que tenham resultados mensuráveis no curto prazo.

Coleta seletiva, uso de papel reciclado, economia de água, economia de energia… Essas, mais que boas, são necessárias e é ótimo que cada vez mais gente adote esses procedimentos, mas… Sustentabilidade é muito mais que pequenas ações táticas.

Sustentabilidade não pode ser comprada. Não é um modismo. Não é “invenção dos caras do meio ambiente”. Sustentabilidade, assim como liberdade, não é uma “coisa”, é uma relação entre pessoas.

E a maioria das pessoas não está preparada para ela.

Nesta palestra Luciano Pires discute se estamos preparados para colocar em prática aquilo que dizemos que precisa ser feito. Questões como valores morais e a qualidade dos relacionamentos e conexões entre as pessoas são os temas-chave discutidos ao longo de 90 minutos que vão mexer com a cabeça de sua equipe.

O discurso é ótimo, mas temos a visão e a atitude necessárias para implementar o que dizemos que precisa ser feito?

- Definição de sustentabilidade
- As regras da natureza para a sustentabilidade
- A questão da habilidade para a sustentabilidade
- Os pilares do bom gerenciamento
- Os estrategistas da lucratividade e os estrategistas da sustentabilidades
- Sustentabilidade é equilíbrio

Tudo bem se me convém

Num mundo onde a única certeza é a mudança, certos progressos morais fazem com que o que até ontem era condenável, agora deixe de ser. E vice-versa. Como tomar decisões num contexto como esse?

Na palestra TUDO BEM, SE ME CONVÉM , Luciano Pires discute ética, virtude e escolhas morais , com exemplos do dia a dia e uma visão irreverente e provocativa, inclusive de acontecimentos  recentes em vários segmentos da sociedade, que colocam em cheque nossa capacidade de realizar as melhores escolhas.

Diferente de palestras sobre moral e ética que são baseadas em filosofia e reflexões, Luciano Pires traz as argumentações para os processos do dia a dia, usando matérias jornalísticas, vídeos e exemplos que se aplicam direta e imediatamente ao nosso dia a dia.

Muito bem humorada, repleta de conceitos e com boa dose de provocação, TUDO BEM , SE ME CONVÉM traz uma abordagem objetiva e criativa sobre a importância de permanecer atento para as escolhas morais.

Reflexões sobre ÉTICA numa sociedade pouco ética.

- O mundo em mudança
- Progressos morais e contextos históricos
- O imperativo categórico de Kant e as duas éticas de Max Weber
- Sobrevivência e sucesso: tudo pode desde que feito com competência?
- A consciência do certo e errado e a capacidade de agir a respeito