Júlio César - Ex Goleiro

TEMAS


Júlio César - Ex Goleiro



Júlio César Soares de Espíndola, mais conhecido como Júlio César (Duque de Caxias, 3 de setembro de 1979), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como goleiro.

Em 2009, a IFFHS nomeou-o como o terceiro melhor goleiro do mundo, atrás apenas de Iker Casillas e Gianluigi Buffon. Ele também foi premiado como o melhor goleiro do campeonato italiano em 2009 e 2010. Ele foi nomeado para o Ballon d'Or de 2009 e foi o 21º jogador mais bem colocado, sendo o 2° melhor goleiro da lista; Casillas, em 16° lugar, foi o goleiro mais bem colocado. Em março de 2018, ele apareceu na 9ª posição dos melhores goleiros do século XXI, além de ser o único brasileiro, em uma lista elaborada pela revista inglesa FourFourTwo.

Em junho de 2016, o jornal inglês "Daily Mail" elaborou um ranking com os jogadores mais vitoriosos em atividade naquele momento. Júlio César apareceu no topo da lista.
Infância e Juventude

Júlio César nasceu em Duque de Caxias e viveu a infância na Penha , subúrbio do Rio de Janeiro, Júlio jogava no asfalto, com meias no lugar de luvas. Aos 9 anos, Júlio César começou a jogar Futsal no Grajaú Country Club, uma equipe da Zona Norte do Rio de Janeiro, e desde já, demonstrava talento.

Flamengo

Aos 12 anos de idade, Júlio César chegou ao Flamengo pra fazer um teste, e passou. Aos 17 anos foi promovido pro time profissional e conquistou 4 Campeonatos Cariocas (1999, 2000, 2001 e 2004), 1 Copa dos Campeões Mundiais (1997), 1 Copas dos Campeões (2001)1 uma Copa Mercosul (1999).

Caiu nas graças da torcida logo na estreia, em 1997, num Fla x Flu, em que defendeu até pênalti. De 1997 a 2000, foi reserva de Clemer. Em 2000, assumiu a titularidade da meta do Flamengo durante a Copa João Havelange, com um estilo firme de defender e boa devolução de bola.

As boas atuações com a camisa do Flamengo renderam a Júlio César a primeira convocação para a Seleção Brasileira, em 2002. Suas defesas foram determinantes para que o Flamengo ossentasse até hoje um posto entre os clubes que nunca foram rebaixados no futebol brasileiro, já que a degola passou perto em 2001, 2002 e 2004.

Sua melhor partida com a camisa do clube foi o 2º jogo da final do Carioca de 2001, quando Júlio César foi o grande nome do jogo, fazendo grandes defesas. Após o jogo, ainda no vestiário, o goleiro interrompeu uma entrevista ao vivo de Beto para fazer uma provocação a Eurico Miranda, que, segundo ele, já tinha reservado a festa para os vascaínos.

No começo de 2005, deixou o Flamengo com 284 jogos oficiais na bagagem, e transferiu-se para a Inter de Milão. Segundo dados de Paulo Vinicius Coelho, destas 284 partidas oficiais, foram 122 vitórias, 70 empates e 92 derrotas.

Os 284 jogos disputados pelo clube fizeram de Júlio César o terceiro goleiro com mais jogos pelo clube, atrás apenas de Cantarelli (557) e Zé Carlos (352).

Inter de Milão
Então, veio o reconhecimento internacional, que o levou a transferir-se para a Inter de Milão em 2005. O que parecia um passo a frente, virou decepção. Nos primeiros seis meses, Júlio foi emprestado ao pequeno Chievo Verona também da Itália, mas não recebeu, uma chance sequer de jogar pelo Chievo. Depois, Julio voltou de férias pra Internazionale.

Em sua primeira temporada na Inter, Júlio César já era titular. Ganhou um voto de confiança do técnico Roberto Mancini, tornando-se rapidamente uma das principais peças da equipe Nerazzurri e deixando o já em fim de carreira Toldo, que também fora ídolo do time por muitos anos, no banco de reservas.

Queens Park Rangers

Aos 32 anos, o goleiro acertou sua transferência para o Queens Park Rangers no dia 29 de agosto de 2012, assinando um contrato válido por quatro temporadas. Fez sua estreia pelo QPR contra Chelsea 15 de setembro. Ele rapidamente se estabeleceu como o primeiro goleiro da equipe, deixando o companheiro recém-contratado do QPR, Robert Green no banco de reservas.

Seleção Brasileira
Julio Cesar (centro) pela Seleção Brasileira em 2013.

Júlio César foi convocado pela primeira vez para a Seleção Brasileira no ano de 2002, em 2003 foi convocado para a Copa das Confederações para ser reserva de Dida. Estreou como titular no ano seguinte, em 8 de julho de 2004, contra o Chile na Copa América de 2004.

Atuou pela Seleção Brasileira também durante as eliminatórias das duas Copas do Mundo seguintes, sendo convocado para ocupar a vaga de terceiro goleiro na edição de 2006 e de titular na edição de 2010. Nesta última, o Brasil foi eliminado perdendo por 1–2 para a Holanda e ele próprio reconheceu que cometeu uma falha no primeiro gol holandês.

Retornou a lista de convocados em janeiro de 2013, quando foi lembrado por Luiz Felipe Scolari para integrar o elenco que enfrentou a Inglaterra em 6 de fevereiro. Declarou que, apesar da opção de Mano Menezes de não chamá-lo mais após a Copa América de 2011 e de jogar pelo pequeno Queens Park Rangers: "Nunca desistiu de jogar pelo Brasil."

Em 14 de maio de 2013, foi convocado para a Copa das Confederações no Brasil. Em 26 de junho de 2013, na partida contra Uruguai válida pela Copa das Confederações, Julio Cesar defendeu o pênalti cobrado por Diego Forlán que ajudou o Brasil a se classificar para a final da competição, no final o Brasil venceu por 2–1, e na partida final da competição contra a Espanha, Julio Cesar não sofreu gols e o Brasil venceu por 3–0 e conquistou a Copa das Confederações 2013.


Copa do Mundo de 2014
Convocado para a Copa do Mundo de 2014 foi titular em todas as partidas da Seleção. Nas oitavas-de-finais da Copa do Mundo de 2014 contra o Chile, que terminou empatada no tempo normal, defendeu duas cobranças na disputa por pênaltis, e foi eleito o melhor jogador em campo.

 

Tipos de Trabalho

- Presença Vip
- Talk Show sobre sua Carreira

at 7-8