Joaquim Cruz

TEMAS


Joaquim Cruz



Joaquim Cruz, ex-meio-fundista brasileiro, campeão olímpico dos 800 metros em Los Angeles 1984, medalha de prata na mesma prova nas Seul 1988 e por duas vezes campeão pan-americano, em Indianápolis, 1987 e Mar del Plata, 1995.

Começou sua carreira jogando basquete americano no SESI de Taguatinga aos treze anos de idade, e logo mostrou um grande talento como junior. Aos dezoito anos, conseguiu a marca de 1'51'' nos 800 metros.

Após estabelecer o recorde mundial juvenil de 1'44''3 no Trofeu Brasil de Atletismo no Rio de Janeiro em 1981, ele recebeu uma bolsa de estudos na Universidade de Oregon em 1983, onde correu o famoso corredor Steve Prefontaine.

Logo essa mudança mostrou resultados, e Cruz venceu os 800m no campeonato colegial americano NCAA no mesmo ano. Ele também competiu no primeiro Campeonato Mundial de Atletismo em Helsinque, conseguindo a medalha de bronze.

No ano seguinte, os Jogos Olímpicos foram realizados em Los Angeles Joaquim Cruz era considerado um dos favoritos, juntamente com os britânicos Sebastian Coe, recordista mundial ,e o campeão olímpico de Moscou 1980, Steve Ovett.

Joaquim correu em segundo a prova toda e na entrada da reta final deu uma arrancada que os outros adversários não conseguiram acompanhar; cruzou a linha de chegada em 1:43.00, novo recorde olímpico, a frente de Sebastian Coe e do marroquino Said Aouita, se tornando o primeiro brasileiro no atletismo a conseguir o título olímpico desde Adhemar Ferreira da Silva, medalhista de ouro em Helsinque 1952 e Melbourne 1956.

Devido a um alegado resfriado, participou nas semifinais dos 1500 m dois dias depois, prova para a qual também estava inscrito.

Poucas semanas após os Jogos Olímpicos, Joaquim quebrou mais um recorde brasileiro nos 800 m em uma competição em Colônia.

Seu tempo de 1:41.77 foi apenas 4/100 de segundo acima do recorde mundial.

Em 1985 Joaquim confirmou seus excelentes resultados no ano anterior ao correr tempos abaixo de 1:43 na Europa. Neste ano, foi eleito o Desportista do Ano numa votação de jornalistas brasileiros (obteve 98 dos 107 votos totais).

Em Seul 1988, defendendo seu título nos 800 m, ele liderava a prova até a curva final, quando foi ultrapassado pelo queniano Paul Ereng, ficando com a medalha de prata. Ainda durante os Jogos, causou polêmica ao comentar sobre o físico, e possível doping, da corredora americana Florence Griffith Joyner.

Com problemas no tendão de Aquiles, Joaquim teve dificuldades para conseguir continuar em nível internacional e não participou dos Jogos Olímpicos de Barcelona 1992.

Em 1993, tentou sua volta nos 1500 metros em várias corridas de Grand Prix na Europa, mas não obteve o desempenho esperado. Em 1995 conquistou a medalha de ouro nos 1500 metros nos Jogos Pan-americanos de 1995 em Mar del Plata.

Em Atlanta 1996, Joaquim foi o porta-bandeira da delegação brasileira na cerimônia de abertura, em sua última Olimpíada. Encerrou a carreira no Troféu Brasil de Atletismo em janeiro de 1997, no Rio de Janeiro.

Atualmente ele é treinador e foi o técnico da equipe de atletismo dos Estados Unidos nos Jogos Parapan-americanos de 2007 no Rio de Janeiro e nos Jogos Paraolímpicos de 2008 em Pequim.

Sua carreira e suas vitórias foram homenageadas pelo COB em 2007, quando Joaquim foi designado para acender a pira olímpica dos Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro.

Temas de Palestras:

- Esportes
- Liderança
- Motivação
- Competitividade
- Treinamento
- Superação de Desafios / Mudanças